Cinco sugestões de como ser um programador melhor

Frequentemente, quem ainda está aprendendo a programar se pergunta que caminhos seguir para se tornar um programador melhor. O que estudar, como estudar e qual a tecnologia “da moda” renderá salários melhores estão entre as angústias de jovens programadores. 

Mesmo quem já garantiu um bom curso profissionalizante, como o Pi da Let’s Code, tem dúvidas sobre que rumos dar à carreira. Por isso, neste artigo há 5 sugestões para orientar estudos e carreira de quem quer ser um programador melhor.

1- Tenha mentalidade de melhoria contínua

Se esse artigo se tornasse um tuíte, com certeza seria um resumo deste item.

Para ser um bom profissional é necessário que a cada dia se busque melhorar um pouco mais. Isso vale para estudantes e profissionais experientes. Pense sua profissão como uma habilidade que precisa ser desenvolvida todo dia e cada vez mais. Jiro Ono, um dos mais respeitados chefes de cozinha do Japão, hoje com 92 anos, disse: “Eu faço a mesma coisa de novo e de novo. Melhorando pouco a pouco. Há sempre um desejo para conseguir mais. Eu continuarei a escalar, tentando atingir o topo, mas ninguém sabe onde é o topo”.

Um indicador de que você tem melhorado como programador é ler código que escreveu alguns meses atrás. Se achar o código mal escrito, significa que você evoluiu. Mas não pare no indicador, aproveite e melhore seu código antigo para colocar em prática os aprendizados recentes. 

2- Estude inglês

Em nosso tempo, inglês é a língua franca e, pelo menos no universo da tecnologia, isso não deve mudar tão cedo. Ou seja, é fácil encontrar muito material para referência e para estudo em inglês voltado para programadores. Além disso, é boa prática em muitas empresas que os programas sejam escritos em inglês,

Portanto, saber ao menos ler e escrever em inglês é primordial para o desenvolvimento de uma carreira sólida.

3- Aprenda matemática

Há alguns anos parte dos profissionais de tecnologia não viam necessidade em entender a matemática que fundamenta da computação, porém com os excelentes resultados da ciência de dados, fica cada vez mais difícil defender que não é necessário entender a matemática que sustenta o que fazemos como programadores.

Decisões sobre como projetar algoritmos, sobre qual o melhor modelo para descrever dados e sobre qual algoritmo de aprendizagem de máquina resolve melhor o problema em questão. Sem a matemática seria difícil tomar qualquer dessas decisões.  

4- Programe

É óbvio que treino é parte importante do aprendizado contínuo, porém é menos óbvio que o treino precisa se guiar por boas práticas. Há algumas formas de garantir que o código que você está escrevendo para treinar é bem escrito:

  1. Faça um curso em que seu código seja avaliado.Ter um professor que auxilie indicando pontos de melhoria nos programas acelera o processo de aprendizagem. No programa Pi você construirá seu portfólio de projetos com a supervisão dos professores da Let’s Code;
  2. Procure projetos de software livre (você pode encontrar vários no Github) e corrija pequenos bugs pequenos. Essa atividade vai demandar que você leia código escrito por outras pessoas, aumentando o arsenal de estratégias para solução de problemas; siga padrões do projeto, preparando-o para a vida profissional em ambientes diversos; e escreva testes automatizados, essenciais para manutenção da qualidade do código escrito;
  3. Treine em coding dojos para tomar contato com problemas que necessitam de projeto de algoritmo refinado e para apurar sua técnica. Procure também participar de hackathons em que seja preciso resolver problemas com pressão de tempo – mas mantenha seus procedimentos e práticas!

5- Conheça o domínio do problema

Como programador haverá problemas das mais diferentes áreas do conhecimento e dos mais diversos setores da economia para resolver em sua vida profissional. Seria impossível entender completamente de todos os assuntos para construir solução boa para cada domínio de problema. 

Porém, é possível e necessário que se aprenda o mínimo para estabelecer diálogo eficaz com o especialista sobre o problema em questão para construir em conjunto a solução.

Como bônus dessa sugestão, fica também a de se esforçar para se comunicar – ouvir e falar – melhor com clientes e colegas. Sem boa comunicação, não é possível o diálogo com quem entende do problema a ser resolvido para que você consiga desempenhar bem o papel de programador.

Conclusão

Programação, como todo ofício, exige dedicação para que a excelência seja atingida. É um caminho árduo, mas rende frutos. Pelé, o rei do futebol, sumarizou a importância da dedicação: “O sucesso não é um acidente. É trabalho duro, perseverança, aprendizagem, estudo e sacrifício”.